NOSSA DECLARAÇÃO: “Cremos que o sábado sagrado da Bíblia, o sétimo dia da semana, é tempo sagrado, um dom de Deus para todas as pessoas, instituído na Criação, confirmado nos Dez Mandamentos, reafirmado no ensino e exemplo de Jesus e dos apóstolos. Acreditamos que o repouso do sábado sagrado é uma experiência da presença eterna de Deus com Seu povo. Assim, em resposta amorosa à graça de Deus, acreditamos que o sábado sagrado deve ser fielmente observado como um dia de descanso, adoração e celebração”.

~ INTRODUÇÃO ~

O sábado foi um dia especial, estabelecido pelo nosso Deus após o termino da Criação. Em seis dias, Deus criou os céus e a Terra. Mas, no sétimo, descansou. Ele também abençoou o sétimo dia, o sábado, e santificou-o.

O vocábulo “santo” indica o caráter sagrado do sétimo dia da semana. Santo, na língua hebraica, é qadosh; e, em grego, hagio, que significam “ser separado”. Ao santificar o sábado, o Senhor deixou claro que o ser humano deve separar o tempo de louvor e adoração a Deus. Esse presente, em forma de tempo, foi dado para o bem de toda a humanidade para que possamos focalizar a nossa atenção em Deus.

Desde a sua criação até a saída de Israel do Egito, o sábado não é mencionado. Isso não significa que o sétimo dia não era observado. Parecia tão natural e orgânico que não precisava ser prescrita em lei a sua observância. Porém, quando o povo de Deus saiu em direção à Terra Prometida, diante da necessidade de manter a unidade espiritual e religiosa, após 400 anos de contato com uma cultura e religião pagãs, foi necessário que se ordenasse em código de lei.

Logo no início da peregrinação, Deus enviou o maná, durante seis dias; e, no sexto, o povo deveria coletar o alimento para que servisse a dois dias a fim de que não trabalhassem no sétimo. Pouco tempo depois, Deus escreveu os 10 Mandamentos com o próprio dedo, estabelecendo no quarto: “Lembra-te do dia de sábado, para santificar”. (Êx 20:8)

No Novo Testamento, Jesus guardou o sábado. Rodney L. Henry afirma que Ele veio à Terra para tornar possível a todas as pessoas relacionarem-se corretamente com Deus.

Ao longo deste estudo, um ponto essencial deve permear sua reflexão -guardamos o sábado, pois a salvação alcançou-nos mediante Jesus Cristo. Contudo, não observamos o sétimo dia para sermos salvos. Em cada edição do “Sabath Recording”, publicação da Igreja Batista do Sétimo Dia dos Estados Unidos, os editores inserem a visão de nossa igreja: “Observamos o sétimo dia da semana (sábado) como dia santo de Deus, como um ato de obediência amorosa - não como meio de salvação. Salvação é o dom gratuito de Deus, por intermédio de Jesus, nosso Senhor.”

~ O SÁBADO É INSTITUÍDO

NA CRIAÇÃO ~

O plano eterno de Deus é que o homem desfrute de um relacionamento de amor com Ele. Assim, criou o homem e, depois, o sábado. A essência dessa criação é o homem ser trazido ao correto relacionamento com Deus.

Em Gênesis 2:2-3, vemos que Deus descansou no sétimo dia, depois de terminar Sua Criação. Então, “abençoou” o sábado e “santificou”-o. Vamos verificar cada uma dessas três ações.

O descanso de Deus de Seu trabalho tem como primeiro objetivo distinguir Seus atos da Criação, realizados nos seis dias anteriores. Aqui, descanso significa que Deus parou, cessou o trabalho criativo. Ao mesmo tempo, Ele incentiva-nos a designar uma parte da vida para o descanso e ao crescimento espiritual. A inexistência de um momento como esse torna muito difícil lidar com as outras questões e manter o equilíbrio necessário para preservar a vida espiritual.

A segunda ação de Deus, ao criar o sábado, foi abençoá-lo. Há uma clara diferenciação entre o sétimo dia e os outros. É concedido ao sábado uma marca especial de bondade.

E, por fim, Deus santificou, ou tornou santo o sétimo dia. O significado de “santo”, nas Escrituras, é ser separado por Deus. Quando consideramos o sábado, o Dia Santo de Deus, devemos tratá-lo de forma diversa do restante da semana. A sua santidade serve como base para tudo que fazemos em relação a ele. É um tempo santo, diferente dos outros dias da semana. Eis o ato final de Deus durante a semana da Criação. Assim, o sétimo dia é abençoado e santificado por Deus.

O sábado é parte da criação de Deus e tem, desde o início, o intuito de santificar o nosso relacionamento com o Criador.

~ O SÁBADO E A LEI ~

Um acontecimento anterior à instituição do decálogo foi o envio do maná ao povo de Deus, no deserto. E isso possui íntima relação com a guarda do sétimo dia.

Durante o período da peregrinação, os israelitas foram alimentados com provisões dadas por Deus, chamadas de maná. Ao longo da leitura dos relatos do envio desse alimento, fica evidente que, além de oferecer a provisão ao povo, Deus pretendia utilizar a sua colheita de forma pedagógica sobre a guarda do sábado e também quanto a confiarem no Pai Celeste.

Deus deu instruções a respeito da colheita do maná, no sábado, que eram específicas e requeriam fé por parte daquele povo:

No sexto dia, recolheram o dobro: dois jarros para cada pessoa; e os líderes da comunidade foram contar isso a Moisés, que lhes explicou: “Foi isso que o Senhor ordenou: ‘Amanhã será dia de descanso, sábado consagrado ao Senhor. Assem e cozinhem o que quiserem. Guardem o que sobrar, até a manhã seguinte. (Êx 16:22,23)

Rodney L. Henry afirma que há três partes na lição dada por Deus sobre fé e guarda do sábado:

Primeira, Deus diz ao povo para descansar no sétimo dia, o sábado. Esse é um descanso com o propósito de distinguir o dia dos outros seis dias da semana. Segunda, Deus declara novamente que o sábado é santo. O sábado, sétimo dia, é um tempo sagrado. Terceira, Deus diz que o sábado é “para o Senhor”. O sábado foi planejado para que tenhamos Deus como o principal foco ou objetivo do dia. O sábado exige abstinência do trabalho comum e entrega pessoal ao Criador do mundo.

Em Êxodo 20:8-11, a guarda do sábado é parte integrante dos 10Mandamentos. A Lei de Deus mostra ao povo o caráter divino, revelando Seus desejos à humanidade. A Lei de Deus tinha dois objetivos: direcionar o relacionamento entre Deus e os seres humanos; levar as pessoas a viverem relacionamentos sociais harmoniosos.

Está certo que a guarda da Lei não nos salva; a salvação é efetivada única e exclusivamente mediante a fé em Jesus Cristo. A Lei de Deus é um instrumento da Sua graça. Não há uma contradição entre graça e lei, pois esta é subserviente a primeira. A Lei é elemento, faz parte da graça. Em Gálatas 3 Paulo afirma que a Lei de Deus tem uma função clara dentro da aliança divina, como o apóstolo afirma, no verso 19: “(...) Ela foi acrescentada por causa das transgressões (...)”. Assim, o pecado seria escancarado, enquadrado em um código escrito, claramente identificado, apontando para Cristo, o único que nos regenera. Dessa forma, acreditamos que guardar a lei não é meio para salvação, mas resultado dela.

No quarto mandamento, podemos observar quatro pontos importantes que devemos enfatizar:

Deus ordena que se lembre do dia de sábado. Ele convoca o Seu povo a continuar fazendo o que já realizava desde a Criação.

Deus ordena que cada um de nós santifique o sábado. Devemos santificá-lo, porque Deus criou-o para ser santo. Devemos separá-lo para focalizar nossas atenções a Deus.

Deus determina que se descane no sábado. Ele é colocado à parte, como dia santo e especial, no qual não devemos trabalhar. Os outros seis dias da semana são para o trabalho.

O “sábado do Senhor” é um dia dedicado a Ele. Nos outros, temos distrações do mundo. Deus separou o sétimo dia da semana para descansarmos do trabalho e dedicarmo-nos a Ele.

O sábado deve ser entendido como uma grande bênção que o Pai concedeu-nos. É um dia de adoração, de celebração e de regozijo no Senhor.

~ SÁBADO SAGRADO É REAFIRMADO NO EXEMPLO DE JESUS E DOS

APÓSTOLOS ~

Nosso Mestre não veio para mudar a Lei, mas para legitimá-la. Jesus guardou o sábado a fim de obedecer ao mandamento divino; e o fez para celebrar a Criação de Deus. Ele ensinou, enquanto esteve na Terra, a forma correta de guardá-lo.

Os textos de Mateus 12:1-14, de Marcos 2:23-28 e de Lucas 6:1-11 demostram que Jesus questionava a forma errônea de os fariseus observarem o quarto mandamento. Assim, exortou-os a refletirem sobre a importância desse dia para a humanidade. Neste contexto, Jesus intitulou-se o Senhor do Sábado, provando que Ele jamais teve a intenção de abolir a Lei e, ao mesmo tempo, demonstrou a Sua autoridade sobre todas as circunstâncias referentes ao tema.

Outro ponto relevante, nos textos em que Jesus aborda a questão do sábado, é que Ele afirma claramente que o sétimo dia foi criado para o homem; e, não, o homem para o sábado. (Marcos 2:27) Henry afirma que podemos abstrair três ensinamentos sobre essa fala:

a) O sábado já foi feito. O sétimo dia existe desde o princípio da Criação de Deus. Isso lembrava aos fariseus que o sábado foi criado por Deus e, não, por eles.

b) O sábado foi feito para todos os homens. Quando fora criado, não havia judeu, nem Israel. Essa é a clara mensagem no texto do Novo Mandamento. Na criação, Deus e o homem estavam em perfeita harmonia. E uma parte dessa harmonia era o sábado, o qual Deus abençoou e santificou. Ele criou o homem de tal maneira que este precisava do sábado. Então, sua criação pretendeu atender a uma necessidade humana: “O sábado foi feito para o homem”.

c) O sábado foi feito para o homem e, não, o homem para o sábado. Para os fariseus, o dia era mais importante que os homens, a ponto de negligenciar a ajuda ao próximo, se ocorresse no sábado. Jesus combateu os fariseus pela forma como haviam adulterado/mudado o significado original e o propósito do santo dia de Deus.

~ PAULO GUARDOU O SÁBADO~

Em Atos dos Apóstolos 18 vemos Paulo na cidade de Corinto, frequentando a sinagoga, todos os sábados. E muito mais do que apenas manter contato com os judeus na sinagoga, o apóstolo observava o preceito, porque “tinha prazer na lei de Deus” (Romanos 7:22), por considerá-la “santa, justa e boa” (Romanos 7:12) e porque amava seguir o exemplo do Salvador (1 João 2:6; Gálatas 2:20; Lucas 4:16).

O apóstolo guardou o Sábado por toda a sua vida. (Atos dos Apóstolos 25:8) Nunca foi contra a Lei de Deus; mas, sim, oponente a um sistema religioso que considerava a lei um meio de salvação. (1 Timóteo 1:8)

~ SÁBADO: UM ANTEGOZO DO CÉU~

O repouso sabático é uma antecipação do repouso eterno no céu, como vemos em Hebreus 4:9“Assim, ainda resta um descanso sabático para o povo de Deus”.

A cada sábado, ao deixarmos de lado todo o trabalho e o envolvimento com preocupações ou atividades terrenas, lembramo-nos do que Deus espera de Seus filhos. Larry Graffius afirma: “Nosso descanso sabático é a confirmação do descanso eterno – uma degustação do paraíso.”

~ CONCLUSÃO ~

O sábado é um dia especial dado a nós. É o período em que podemos ter descanso, tanto mental como físico, o que nos ajuda a estarmos prontos para os seis dias de trabalho que se seguirão. Guardá-lo fielmente ajuda a apreciar o repouso, a ser capaz de descansar de todos os labores e cuidados.

No entanto, precisamos ser cuidadosos para não transformarmos o sábado em um dia de fazer e não fazer. Quando começamos a focalizar mais as leis, e não nAquele que nos deu a Lei, logo nos afastarmos do coração do Seu mandamento do sábado. Todas as leis de Deus foram dadas e fundamentadas em Seu amor.

Artigos Relacionados

Decadência religiosa
  E quando eles estavam junto da casa de Mica, reconheceram a voz do moço, do levita; e dirigindo-se para lá, lhe disseram: Quem te trouxe aqui...
Sétima opressão, quarta-feira
  Por onde quer que saíam, a mão do SENHOR era contra eles para mal, como o SENHOR tinha falado, e como o SENHOR lhes tinha jurado; e estavam...
Sexta opressão, segunda-feira
  E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má...
Quinta opressão, quinta-feira
  Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura.     Isaías 42:8...